Práticas Artísticas Confinadas

imagem Práticas confinadas

 

Práticas Artísticas Confinadas: Resistência e Coletivismo na Pandemia COVID-19 em Portugal

Tipologia: IHA seed-project

 

Data de início: 01 dezembro de 2021
Data de fim: 31 maio de 2022

 

Descrição

Em março de 2020, Portugal identificou o primeiro caso de Covid-19, tendo sido decretado o primeiro estado de emergência logo em seguida. O sector da cultura foi dos primeiros a adiar e a cancelar espetáculos e exposições, a fechar museus, bibliotecas, arquivos e galerias. Se as condições laborais deste sector já se caracterizavam pela precariedade e intermitência, com a pandemia a situação agudizou-se.
Face a situações de pobreza extrema que alguns destes profissionais enfrentam, à natureza dos vínculos laborais e à necessidade de continuar a criar e a usufruir da produção artística e cultural, têm emergido novas formas de auto-organização dentro do sector, não só em Portugal, como no estrangeiro.
Este projeto, com duração de 6 meses, tem carácter exploratório e visa o estudo dos grupos cívicos (coletivos, associações, cooperativas e sindicatos), constituídos por profissionais da arte e da cultura que foram criados a partir de Março de 2020 em Portugal, com o objetivo de responderem à crise provocada pela pandemia Covid-19.
Procura-se no projeto indagar como os referidos grupos têm sido criados, como se têm desenvolvido e contribuído para as dinâmicas de resistência política e social no espaço público.
Através de uma ótica transdisciplinar que inclua a História de Arte e os Estudos Artísticos, pretende-se analisar as práticas artísticas e os movimentos de luta constituídos neste período, incidindo na performatividade, nas formas de organização, nas estratégias adotadas (políticas e artísticas) e, no limite, aferir o real impacto que as suas ações poderão ter tido nas mudanças de políticas culturais. Pretende-se ainda contextualizar este repertório de lutas relativamente à história recente do ativismo artístico, tomando como referência, por exemplo, a crise financeira de 2008, cujos efeitos estão ainda por sanar.

 

Objetivos
Os principais objetivos do projeto são:
1 – Produzir conhecimento sobre o objeto de estudo identificado: aprofundando a investigação científica, através da reflexão sobre o modo como a arte pretende ter uma ação transformadora na vida em sociedade e em particular sobre o papel dos artistas e agentes culturais nessa mesma transformação; bem como utilizar e materializar o conhecimento produzido em formatos que permitam uma disseminação mais alargada, potenciando-se a sua discussão para além do contexto académico.
2 – Contribuir para o plano estratégico do IHA: do ponto de vista dos objetivos do IHA, este projeto inscreve-se nos desígnios do grupo CASt que se centra na investigação das práticas artísticas desde o início do século XX até ao presente através de metodologias que privilegiam a interdisciplinaridade na História de Arte, a sua vertente orientada para projetos e a colaboração entre investigadores; por seu turno, o projeto inscreve-se ainda no trabalho desenvolvido pelo cluster do CASt – Performance Art & Performativity in Arts -, através do qual se pretende explorar de que forma a performatividade destas práticas se foi desenvolvendo a partir da hibridização entre a arte e a sociedade; relativamente ao plano estratégico do IHA, destaca-se a questão da investigação aplicada e a intenção de construir as bases para um projeto de maior envergadura que permita inscrever a historiografia de arte portuguesa num contexto internacional e que possibilite abordagens numa perspetiva glocal.

 

Outputs
A execução deste seed-project permitirá criar dinâmicas de investigação dentro da academia, juntando investigadores do IHA e do CRIA. Em simultâneo, permitirá realçar a importância da atuação fora do espaço da academia, fomentando a ligação entre a investigação e a comunidade, contando neste caso com as parcerias do Centro de Artes e Criatividade (Torres Vedras) e do Chão de Oliva (Sintra) e com as comunidades locais.
Os resultados serão:
– criação de conta de Instagram e sítio-plataforma;
– realização de Seminários;
– apresentações públicas do trabalho em progresso e resultados;
– realização de exposições documentais e processuais;
– produção de um Mapa-kit;
– submissão de um artigo científico.

 

Área científica principal: Estudos Artísticos
Sub-área: História da Arte

 

Palavras-chave: práticas artísticas; ativismo; crise; COVID-19; espaço público.

 

Financiamento
7.740€

 

Instituições financiadoras
Instituto de História da Arte – NOVA FCSH
Centro de Artes e Criatividade, Câmara Municipal de Torres Vedras (parceiro)
Chão de Oliva, Sintra (parceiro)

 

Centros de Investigação envolvidos
IHA/NOVA FCSH
CRIA/NOVA FCSH

 

Equipa

Coordenação
Cristina Pratas Cruzeiro (IHA/NOVA FCSH) – IR
Daniela Salazar (IHA/NOVA FCSH) – Co-IR
Investigação
Alexandra do Carmo (IHA/NOVA FCSH)
Catarina Pires (IHA/NOVA FCSH)
Raquel Ermida (IHA/NOVA FCSH)
Rita Barreira (IHA/NOVA FCSH)
Sónia Vespeira de Almeida (CRIA/NOVA FCSH)
Susana C. Gaspar (IHA/NOVA FCSH)
Bolseiro/a de Investigação
a anunciar em breve

 

logos Práticas Confinadas